domingo, 9 de agosto de 2009

Amor é fogo que arde sem se ver


Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?
Luís de Camões


Um comentário:

Sandro M. Gomes disse...

O meu poema favorito... sem duvida!
Não me canso de o recordar...tenho já estes versos bem gastos na minha cabeça!

Adorei o seu blog... (reparei que esta' no inicio) mas tem tudo para ser um excelente blog!

Parabéns! Beijo*